Em Simpósio, Fundação Ezute apresenta proposta para modernizar processos de gestão de recursos hídricos

 

A Fundação Ezute marcou presença no XXIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, realizado em Foz do Iguaçu, de 24 a 28 deste mês. O evento foi uma oportunidade para a Ezute apresentar sua expertise no setor e ainda as soluções para a modernização dos processos de gestão relativos à outorga, cobrança, monitoramento e fiscalização.

Durante o simpósio, o Gerente de projetos da fundação, Nathan Facundes Santos, apresentou o artigo “A modernização do processo de outorga no Estado de SP: a gestão entre a informação e o conhecimento”. A apresentação foi feita em formato de pôster, permitindo que ele explicasse aos participantes um pouco mais sobre a modernização do processo de outorga ocorrida em São Paulo durante a crise hídrica de 2014-2016.

“Ficamos surpresos com o grande interesse dos participantes em saber quem somos e o que fazemos, evidenciado nas diversas interações que tivemos com o público presente e nas apresentações que realizamos ao longo do evento”, disse Nathan.

Uma das soluções apresentadas pela Fundação Ezute é a que permite ao órgão gestor estadual de recursos hídricos evoluir seu processo atual de cadastro e análise técnica de requerimentos e permitir que qualquer usuário solicite pela Internet a Outorga de Direito de Uso ou Interferência em corpos hídricos superficiais e subterrâneos. Já o Sistema de Cobrança desenvolvido pela Fundação Ezute reúne as funcionalidades necessárias para cadastro, parametrização, cálculo e simulação no âmbito dos empreendimentos de responsabilidade das Agências de Bacia.

“As soluções desenvolvidas pela Fundação Ezute convergem com as demandas identificadas e permitem que o órgão ou entidade gestora reduzam o tempo necessário para sua modernização, uma vez que o aprendizado acumulado pela Fundação junto aos projetos já desenvolvidos nos habilita a apoiar na resolução dos principais entraves relativos a processo, tecnologia e legislação”, comentou.

Nathan lembra que a nova Política Nacional de Recursos Hídricos (2021-2014), a provável criação da cessão onerosa como instrumento de gestão e a necessidade urgente de integração entre os órgãos gestores no tocante aos dados de outorga e monitoramento dos corpos hídricos – temas amplamente discutidos no Simpósio -, fazem com que a Fundação Ezute tenha as capacidades necessárias para apoiar os órgãos e entidades gestoras em sua modernização.

Conexão pela água

O tema central do XXIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos foi ‘Água Conecta’, trazendo um conceito mais abrangente sobre a conexão que a água faz entre as pessoas e organizações; culturas e povos; ciência, tecnologia e inovação; conhecimento e mercado; saúde pública, saúde ambiental, qualidade de vida; conexão de energia; agronegócio, transporte hidroviário, indústria, infraestrutura; além de conexão entre governos, sociedade e governança.

Sobre a Fundação Ezute

Organização privada sem fins lucrativos que tem como missão contribuir para a transformação das organizações brasileiras, especialmente as públicas. Apoia todo o ciclo de vida de programas e projetos, voltados sobretudo às áreas de defesa, saúde, meio ambiente, segurança pública, mobilidade urbana e parcerias público-privadas (PPPs). Desempenha o papel de honest broker, atuando como mediador isento e livre de conflitos de interesse em iniciativas que envolvem governo, empresa, academia e sociedade. Participa de projetos de alta complexidade e grande expressão nacional, entre eles o Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM), da FAB; o Sistema de Monitoramento da Amazônia Azul (SisGAAz), o Programa de Míssil Antinavio (MANSUP) e o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), da Marinha; e os sistemas integrados de Gestão da Saúde (SIGA-SAÚDE) e de Bilhete Único, ambos do Município de São Paulo.