Fundação Ezute vai desenvolver o novo Sistema de Gestão Ambiental e de Recursos Hídricos do Paraná

Projeto conta com financiamento do Banco Mundial e visa tornar o processo de gerenciamento mais eficiente

A Fundação Ezute assinou um contrato com a Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral do Paraná para desenvolver e implantar o novo Sistema de Informações para Gestão Ambiental e de Recursos Hídricos no estado. O projeto, chamado SIGARH, faz parte de um grande programa de modernização dos processos de licenciamento, outorga, fiscalização e monitoramento ambiental com o financiamento do Banco Mundial.

O contrato foi celebrado entre o Estado do Paraná, por meio da Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral – SEPL, tendo como executor o Instituto das Águas do Paraná – AGUASPARANA e o Consórcio EZUTE/NHC, cuja liderança será exercida pela Fundação Ezute em parceria com Northwest Hydraulic Consultants – NHC (canadense), consultora internacional no segmento de recursos hídricos.

O projeto deverá ser desenvolvido com exclusividade para o estado e implantado em 21 meses. O trabalho envolve a análise do desenvolvimento e integração de subsistemas que vão compor o SIGARH, como um cadastro de recursos hídricos (SCRH), o monitoramento desses (SMRH), a gestão de bacias hidrográficas (SGBH), administração (SA), integração (SIN), informações geográficas (SIG), assim como a migração e modelagem de dados existentes.

Para o secretário de planejamento e coordenação geral do Paraná, Juraci Barbosa, o novo sistema vai refletir em qualidade de atendimento à população.  “Mais rápido, inteligente e moderno, ele trará mais agilidade e transparência aos processos”, completou.

“O novo sistema vai contribuir com a desburocratização do estado, modernizando os procedimentos e oferecendo  aos órgãos gestores serviços integrados e de maior alcance. Para o cidadão, o sistema permite a substituição do papel por meios eletrônicos, o acesso às informações via internet, maior confiabilidade dos dados, rapidez na liberação de processos e redução de custo. O resultado final irá propiciar uma gestão pública eficiente e conectada com as demandas da sociedade”, ressalta Geraldo Azevedo, diretor adjunto da Ezute para o Segmento Civil.

Atualmente, o Estado do Paraná recebe cerca de 35 mil processos de licenciamento ambiental e 10 mil processos de outorga. Pelo volume de trabalho, os órgãos responsáveis passaram a enfrentar morosidade e, decidiram assim, implantar um novo projeto de gestão para melhorar o atendimento à sociedade.