23
jul

Fundação Ezute será Verificador Independente em PPP da concessionária Farol do Vale em Timbó (SC)

Fundação Ezute será Verificador Independente em PPP da concessionária Farol do Vale em Timbó (SC)

Projeto que envolve a modernização e a manutenção da iluminação pública de toda a cidade terá a Ezute como parceira isenta para avaliação do desempenho da empresa contratada para a execução do serviço por meio de indicadores preestabelecidos

Foto: pxhere

Um contrato de concessão e de Parceria Público Privada (PPP) prevê a participação de um verificador independente, ou seja, uma organização que possa atuar como parceira isenta e avaliar o desempenho do projeto por meio de indicadores preestabelecidos.

Este papel é de fundamental importância para uma maior transparência no projeto, atestando atribuições como a qualidade dos serviços prestados e se os mesmos estão em concordância com o que foi contratado.

No caso da PPP do município de Timbó (SC), a modernização no sistema de iluminação pública resultará em uma economia de consumo na ordem de 56% e redução dos custos de operação do sistema superior a 14%, em uma ação que substituirá as mais de 7 mil luminárias existentes hoje na região pelas de sistema LED.

“O trabalho da Ezute como Verificador Independente engloba acompanhar e verificar se a concessionária está executando os serviços de acordo com o estabelecido no contrato realizado com o município e, por sua vez, se o município está cumprindo com suas obrigações como, por exemplo, pagamentos no prazo”, explica Thomas Strasser, diretor de Mercado Civil e Parcerias da Fundação Ezute.

Além da questão dos pagamentos, outras frentes poderão ser aferidas pela Fundação, como questões relacionadas aos aspectos técnicos de engenharia, operacionais, jurídicos e institucionais referentes aos serviços prestados pela concessionária Farol do Vale.

“A presença de um verificador independente em um projeto de PPP marca questões como transparência, tão importantes hoje em dia em qualquer projeto que envolva investimentos do governo. Além disso, o verificador atua também como uma espécie de administrador, que auxilia a empresa prestadora dos serviços a seguir o que foi definido em contrato, sem que haja surpresas ao final do trabalho”, comenta Hoylson Trevisol, diretor da Farol do Vale.

23
jul

SANEPAR assina contrato com Fundação Ezute para estudo e atualização de solução ERP

SANEPAR assina contrato com Fundação Ezute para estudo e atualização de solução ERP

Projeto visa promover à Companhia de Saneamento do Paraná controles mais eficientes relacionados à conformidade e auditoria dos processos operacionais e seus resultados

Nos últimos anos, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) tem investido em inovação para proporcionar maior eficiência e eficácia em seus processos. Dessa forma, tem utilizado tecnologias para integração de informações e redução da quantidade de sistemas e aplicativos internos com o intuito de promover convergência tecnológica, confiabilidade sobre resultados, estabelecimento de processos de governança perene e eficaz, além de ganho de produtividade.

Um desses sistemas refere-se à utilização de Solução Enterprise Resource Planning (ERP) para aprimoramento e padronização de processos para as áreas de negócios, recursos humanos, financeiro, planejamento estratégico, informações analíticas, entre outras e que, no presente momento, apresenta necessidade de modernização de conjuntos de sistemas para atualização tecnológica.

“A implementação de uma Solução ERP na Sanepar é uma decisão estratégica estruturante para a organização que vai muito além da visão de migração dos sistemas existentes. Novas demandas para essa solução foram identificadas, referentes a estruturação estratégica da organização e ao processo de modernização institucional. Além disso, identificamos significativa evolução das soluções ERP de mercado, que estão em constante desenvolvimento e emergentes processos de transformação digital, disponibilizando e provendo soluções mais completas e maduras à gestão de recursos corporativos”, explica Gislaine Chimborski Lopes, Sponsor do Projeto na Sanepar.

Para que essa atualização seja feita, a Fundação Ezute realizará estudo para a evolução das especificações do projeto de implantação da solução ERP com o objetivo de promover a reformulação e o aprimoramento das especificações técnicas da solução, serviços, transferência de tecnologia, estratégia de implantação e operação de Solução de Sistema Integrado de Gestão Empresarial.

“A Fundação Ezute entende que o aprimoramento das especificações da solução e projeto ERP para a Sanepar deve observar e considerar modelo de abordagem sustentado por pilares como estrutura, processos e políticas organizacionais, infraestrutura de tecnologias, dados e informações e, claro, pessoas. Para além da atualização do sistema, o propósito é também promover transferência de tecnologia e de conhecimento, que auxiliará no fortalecimento do ambiente de governança e da comunicação adaptativa e multidirecional, ambos orientados por políticas que vão sustentar e perenizar a solução integrada e os processos de gestão organizacionais”, explica Silverlei Gava, gerente de projetos da Fundação Ezute.

2
jul

CASNAV assina contrato de serviços técnicos com Fundação Ezute em projeto do Submarino Riachuelo

CASNAV assina contrato de serviços técnicos com Fundação Ezute em projeto do Submarino Riachuelo

Submarino Riachuelo. Foto: Marinha do Brasil

O Centro de Análises de Sistemas Navais (CASNAV) assinou, em 25 de junho, contrato com a Fundação para a realização de serviços técnicos especializados em apoio à Fase de Planejamento da Avaliação Operacional do Submarino Classe “Riachuelo” (PAOS), envolvendo o Sistema de Combate (SC).

A contratação da Fundação foi realizada em razão do know how adquirido na Transferência de Tecnologia e de Conhecimento (ToT e ToK – Transfer of Tecnology e Transfer of Knowledge) dos pacotes de engenharia do Sistema de Combate do Submarino Classe “Riachuelo”, proporcionado pela Naval Group desde 2011.

A Avaliação Operacional (AO) é uma das etapas do processo de obtenção de meios, que ocorre após a aceitação contratual do primeiro exemplar da classe. Contempla cinco etapas:

· Fase 1 – Definição do Problema;

· Fase 2 – Planejamento;

· Fase 3 – Execução;

· Fase 4 – Apresentação dos Resultados; e

· Fase 5 – Projeto de Exercícios Operativos.

No presente momento, o projeto encontra-se na Fase 2 (atual contratada), que é composta por uma série de passos e atividades de natureza eminentemente técnica para traduzir as capacidades operacionais requeridas em Medidas de Eficácia Operacionais (MEO). Nesta Fase é definido o plano de avaliação multidisciplinar que envolve a análise das tarefas, ameaças e cenários; estudos de descrição dos sistemas embarcados no Submarino da Classe “Riachuelo”; estruturação do plano de avaliação; bem como a descrição dos procedimentos dos experimentos (Testes Exploratórios) e os planos de análise a serem contemplados na Fase 3.

Estes testes deverão ser conduzidos em condições de operação do sistema da forma mais real possível, visando à coleta de dados de interesse para a avaliação do desempenho do submarino. Também serão identificados aspectos da Avaliação Operacional do S-BR que poderão fornecer subsídios para o projeto do Submarino com Propulsão Nuclear (SN-BR), especialmente no que diz respeito à verificação dos recursos de gravação e de extração de dados existentes do S-BR e sua pertinência para o refinamento do projeto do SN-BR.

Já a Fase 3 compreende a condução dos experimentos, idealizados na Fase de Planejamento, com o sistema operando em condições o mais próximo possível da realidade, além da realização das simulações previstas.

O propósito da Fase 4 é analisar os dados obtidos durante a realização dos experimentos na Fase 3 e fazer chegar às mãos das organizações dos Setores Operativo e de Material todos os resultados alcançados no processo da Avaliação Operacional.

A Fase 5 do S-BR consiste na elaboração de uma Coletânea de Projetos de Exercícios Operativos que serão utilizados para acompanhar, continuamente, o desempenho operacional do submarino ao longo da etapa de operação do ciclo de vida.

“A Fundação Ezute se sente honrada em contribuir para a construção da Fase de Planejamento da Avaliação Operacional, possibilitando a aplicação e a multiplicação dos conhecimentos adquiridos no sistema de combate do Submarino Classe “Riachuelo” na MB e na própria Fundação”, comenta Delfim Miyamaru, diretor presidente da Fundação Ezute.

29
jun

Fundação Ezute abre edital para captar recursos privados para desenvolver projetos de PPP de serviços de Conectividade e TIC em municípios

Fundação Ezute abre edital para captar recursos privados para desenvolver projetos de PPP de serviços de Conectividade e TIC em municípios

A Ezute celebrou, recentemente, acordo de cooperação com o governo do Mato Grosso do Sul para a execução de serviços técnicos para modelagem de PPP para implantação, operação e manutenção de rede de telecomunicações nos 79 municípios do estado

Campo Grande (MS). Foto: Flávio André/Flickr

A Fundação Ezute abriu edital para a captação de recursos junto à iniciativa privada para estruturação e desenvolvimento ou revisão de estudos de modelagem para projetos de PPP ou concessão de serviços de Conectividade Banda Larga e Tecnologia da Informação em municípios, estados ou consórcios públicos.

O valor captado será aplicado, primeiramente, para desenvolvimento de modelagem para o Estado do Mato Grosso do Sul (MS), com o qual a Fundação fechou acordo de cooperação recentemente. O projeto de modelagem de PPP desenvolvido pela Ezute envolve a execução de serviços técnicos especializados para implantação, operação e manutenção de rede de telecomunicações, denominado “Infovia Digital”, nos 79 municípios do MS.

O processo padrão de PPP ou concessão prevê o PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse) no qual entidades privadas elaboram estudos e modelagens para projetos públicos, por sua conta e risco. Entretanto, a taxa de sucesso desses projetos é de apenas 8%.

No modelo criado pela Ezute como alternativa ao PMI, a Fundação recebe doações com encargos das empresas privadas e desenvolve estudos e modelagens sem custos para os municípios e com muito mais isenção. Os potenciais doadores são organizações ou empresas com interesse em fomentar os setores abrangidos pelos chamamentos públicos.

As empresas interessadas em participar do edital para o desenvolvimento do projeto de modelagem da PPP para serviços de tecnologia e conectividade em banda larga podem acessar o site da Ezute.

Infovia Digital

O projeto Infovia Digital do governo do Mato Grosso do Sul contemplará serviços de transmissão de voz, dados e imagens por meio de rede de fibra de alta capacidade em todo o Estado. Entre os itens previstos estão serviços de telefonia para atender todas as unidades públicas estaduais, na Saúde, a telemedicina, central de laudos, informações de vigilância sanitária, ensino a distância na Educação, videomonitoramento e acesso online aos sistemas dos tribunais na pasta de segurança pública, controle e fiscalização online nas fronteiras, arrecadação no Fisco estadual e pontos de acesso à internet para população com o objetivo de inclusão social.

Segundo o acordo celebrado, à Ezute caberá, entre outros trabalhos: revisar, atualizar e consolidar a versão final dos estudos técnicos, econômico-financeiro, operacional e jurídico do projeto; emitir relatórios técnicos mensais de cumprimento do objeto do acordo de cooperação e relatórios técnicos finais; apoiar o governo do MS na realização de audiência e consulta pública para o projeto e responder questionamentos e recursos sobre o edital do projeto. 

5
jun

Dia do Meio Ambiente: de que forma estamos tratando o mundo onde vivemos?  

De que forma estamos tratando o mundo onde vivemos?  

Fundação Ezute promove o desenvolvimento sustentável por meio da valorização de ações de desburocratização; de governança e respeito ao meio ambiente

A Fundação Ezute, desde a sua criação, atua de forma ativa na concepção, modelagem e desenvolvimento de projetos voltados ao meio ambiente e contribui com soluções tecnológicas que apoiam o ente público na gestão e na tomada de decisão, reduzindo a ‘distância’ entre a sociedade e os mecanismos de gestão ambiental.

A Ezute entende que os órgãos públicos têm uma carência para encontrar esse equilíbrio necessário entre a natureza e o desenvolvimento socioeconômico, ou seja, essa sustentabilidade que a sociedade precisa e exige.

“Esse equilíbrio passa por controles, por outorgas e licenças e, muitas vezes, quando esses processos são manuais e burocráticos, as ações demoram para acontecer. Os órgãos estão buscando evolução e a Fundação contribui, por exemplo, na automatização dos processos, dando celeridade e transparência aos mesmos”, explica Nathan Facundes Santos, Gerente de Projetos

Segundo Nathan, atualmente, existem instrumentos de gestão fortes e abrangentes, que fundamentam esse trabalho, mas que nem sempre são de conhecimento da população. O trabalho desenvolvido pela Ezute ‘traduz’ a complexidade e favorece a aplicação dos instrumentos de gestão pelas empresas e órgãos públicos, tal como estabelece a Política Nacional de Meio Ambiente; a Política Nacional de Recursos Hídricos e a Legislação de Crimes Ambientais, que é uma das mais completas do mundo.

O sistemas de gestão ambiental das empresas existe basicamente, por duas razões, de acordo com o especialista da Ezute: pela necessidade de controlar e dar visibilidade às ações internas e externas relacionadas ao meio ambiente; e pela valorização gradual dada pela sociedade às empresas que têm o pilar da  sustentabilidade ambiental nos seus processos de governança corporativa, ou seja, a necessidade de se mostrar sempre aderente aos processos ambientais, cumprindo todas as diretrizes. Isso significa que a empresas respeitam o meio ambiente por meio do equilíbrio entre aquilo que ela faz e o que a sociedade requer.

Mas nem sempre os órgãos públicos conseguem identificar e garantir a ocupação irregular de uma área de manancial; a perfuração sem outorga de um poço; o desmatamento na Amazônia Legal; o lançamento de um material detergente em córregos. E é aí que entra o trabalho da Fundação Ezute.

“O órgão público precisa de apoio para entender as demandas, cumprir as suas políticas e fazer o que for melhor para a sociedade e é isso que Ezute oferece. Nós somos o elo entre as partes. Mostramos, muitas vezes, o quão burocráticos são os processos e provocamos, inclusive, mudanças em legislações, ajudando os órgãos a identificarem que isso é necessário. E o resultado é o benefício para o usuário final e para a sociedade”, diz Nathan.

 A Fundação Ezute promove o desenvolvimento sustentável por meio da valorização de ações de desburocratização; de governança e respeito ao meio ambiente, aproximando a sociedade civil do ente público e dos instrumentos de gestão preconizados pela legislação ambiental.

6
Maio

Fundação Ezute entrega SIGARH para o Estado do Paraná e dá início a nova etapa do projeto

Fundação Ezute entrega SIGARH para o estado do Paraná e dá início a nova etapa do projeto

 

  • Novo Sistema de Informações para Gestão Ambiental e de Recursos Hídricos (SIGARH) contribui para desburocratização do Estado, modernizando os procedimentos e oferecendo aos órgãos gestores serviços integrados e de maior alcance;
  • Para o cidadão, possibilita a substituição do papel por meios eletrônicos, o acesso às informações via internet, maior confiabilidade dos dados, rapidez na liberação de processos e redução de custo;
  • Novo sistema para aprimoramento operacional da gestão de recursos hídricos já está em andamento.

Represa de Capivari – PR – Flickr Rodrigo Vasconcellos

A Fundação Ezute entregou ao Estado do Paraná o Sistema de Informações para Gestão Ambiental e de Recursos Hídricos (SIGARH), que integra um grande programa de modernização dos processos da outorga de uso dos recursos hídricos, monitoramento e aprimoramento operacional dos mesmos e gestão de bacias hidrográficas.

Com financiamento do Banco Mundial e desenvolvido e implementado pela Fundação Ezute, o SIGARH é um sistema de informações corporativas, voltado para operação e gestão ambiental e dos recursos hídricos na abrangência do Estado do Paraná. Construído para ser um sistema de informações e de apoio eficientes, com uma quantidade de dados para armazenamento bastante significativa, o SIGARH é descentralizado e integrado com outros sistemas, garantindo uma gama de serviços e informações disponíveis na internet. Suas informações são armazenadas de forma estruturada, organizada, com integridade e segurança de acesso garantidas.

O novo sistema, que já está em operação desde o início do ano e será disponibilizado de forma mais abrangente para o público em maio, contribui com a desburocratização do Estado, modernizando os procedimentos e oferecendo aos órgãos gestores serviços integrados e de maior alcance. Para o cidadão, possibilita a substituição do papel por meios eletrônicos, o acesso às informações via internet, maior confiabilidade dos dados e rapidez na liberação de processos.

“O projeto faz parte da estratégia de governo para a transformação digital, especialmente na área ambiental. Temos de dar uma resposta para a sociedade paranaense, especialmente para o setor produtivo, de agilidade, transparência e segurança jurídica na emissão de diplomas legais que são demandados por esse setor. Além disso, com o sistema vamos emitir outorga de recursos hídricos com papel zero. Isso nos permitirá dar dispensas automáticas de outorga, por exemplo. Com o SIGARH será mais fácil fazer a gestão dos recursos ambientais e dos recursos hídricos”, explica Everton Luiz da Costa Souza, Diretor-presidente do Instituto Água e Terra, órgão do Governo do Paraná que gerencia a implantação do SIGARH.

DESDOBRAMENTOS DO SIGARH E NOVO CONTRATO 

Dando continuidade ao projeto, a Fundação Ezute assinou, recentemente, um novo contrato com o Instituto das Águas do Paraná, que tem como objetivo o aprimoramento operacional da gestão de recursos hídricos do Estado, abrangendo: concepção, desenho, desenvolvimento e implantação da primeira versão do Sistema Integrado de Gestão Ambiental (SIGA), com prazo de execução de oito meses.

“O projeto ajudará o Estado a crescer. Alguns processos mais simples serão emitidos automaticamente pelo sistema, sem análise técnica. Documentos que levavam meses para serem emitidos serão obtidos de forma automática. Antes era tudo manual, então havia muita demora e inconsistência. O novo contrato prevê algumas melhorias em cima da nova versão. Durante o desenvolvimento do sistema, percebemos que eram necessárias outras ferramentas, por exemplo, a necessidade de uma funcionalidade para que o usuário possa desistir do processo físico e entrar no eletrônico”, explica Jaqueline Dorneles de Souza, Diretora do Núcleo de Inteligência Geográfica e da Informação do Instituto Água e Terra.

O escopo do projeto permitirá a ampliação e a complementação das funcionalidades dos subsistemas existentes (modernização do SIGARH) para integração de dados legados e atendimento às novas demandas legais do Estado referente à gestão de recursos hídricos.

“O SIGARH permite a operacionalização de praticamente todos os instrumentos de gestão da Política Nacional de Recursos Hídricos e possibilitará ao Estado do Paraná desburocratizar processos, ter mais eficiência e maior transparência nesse setor. Composto por 7 Subsistemas integrados, acreditamos que o SIGARH seja a maior e mais abrangente solução para gestão de recursos hídricos do País. O sistema foi construído atendendo aos padrões tecnológicos do Estado do Paraná, sua arquitetura modular permitirá ao Estado a rápida ampliação de suas funcionalidades quando necessário. Mais uma vez, a Fundação Ezute colocou em prática sua missão e seu propósito e quem ganha com isso é a população, que terá acesso a serviços de qualidade com rapidez”, finaliza Leonardo Guimarães Lopes, gerente do projeto SIGARH na Fundação Ezute.

26
mar

Covid-19: Fundação Ezute Contribui na Capacitação de Governos para Gerenciamento da Crise

Covid-19: Fundação Ezute Contribui na Capacitação de Governos para Gerenciamento da Crise

Com mais de 20 anos de atuação, organização atua na linha de frente para a melhoria da efetividade do serviço público por meio de capacitação, apoio à gestão e integração/desenvolvimento de soluções de tecnologias críticas

 

A cada dia, presenciamos como os governos ao redor do mundo têm se organizado no combate à pandemia do novo coronavírus, que já se dissemina no Brasil.

Diante desse cenário, a Fundação Ezute ofereceu uma palestra online gratuita para capacitar os governos estaduais brasileiros na implantação dos seus gabinetes de crise. Ministrada na última terça-feira (24), a palestra foi conduzida pelo consultor Cláudio Senna, especialista no tema, tendo atuado, pela Marinha do Brasil, na operação de resgate das vítimas do voo AF447, na crise do Haiti, e que colabora com a Fundação Ezute desde 2012 em diversos projetos. Ao longo do conteúdo, o profissional detalhou o processo de gerenciamento de crises para representantes dos Estados da Bahia, Espírito Santo, Goiás, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins.

Segundo Senna, “o pensamento cartesiano – empregado no planejamento de operações conjuntas militares, permite o estabelecimento de relações de causa e efeito e a divisão de um problema complexo em partes menores. Este tipo de abordagem é muito útil na gestão de crises, pois permite a construção de um mapa crítico, contendo: 1) eventos críticos; 2) cenários críticos; 3) consequências (sociais, estruturais e ambientais); 4) atividades críticas; 5) recursos críticos; 6) parceiros essenciais; e 7) custos financeiros”.

Ainda de acordo com o consultor, “o mapa crítico é uma excelente ferramenta para apoiar a atuação dos gabinetes de crise, pois facilita a comunicação das diversas equipes que atuam na crise, além de ser facilmente atualizado à medida em que a crise se desenvolve”. Senna também é professor de estratégia e gerenciamento de crises nos cursos de MBA do Ibmec e autor do livro “Gerenciamento de Crises – Usando mapas críticos para organizar o que é complexo e caótico”, da Editora Alta Books.

Além do Mapa Crítico, a palestra também orientou os governos estaduais com relação aos possíveis arranjos da estrutura do gabinete da crise para o enfrentamento adequado às adversidades que vivenciamos em razão do coronavírus. Foi destacada a importância da liderança do processo pela autoridade responsável e a sua articulação com o gabinete de crise e os postos de comando.

Para Thomas Strasser, Diretor de Mercado Civil e Parcerias da Fundação Ezute, situações complexas e críticas como a que estamos vivendo exigem ações coordenadas para maximizar resultados, encurtar os ciclos de decisão e evitar desperdício de recursos no enfrentamento à crise.

Nesse sentido, são necessárias uma série de ações coordenadas no tempo pelo gabinete de crise, que pode ser composto por três equipes atuando de forma integrada, sendo elas: 1) operações correntes, responsável pelo levantamento de informações e pela execução e acompanhamento das ações definidas pelo planejamento, com operação em plantão 24/7; 2) planejamento de curto prazo, responsável pela análise das informações e planejamento das ações de curto prazo (até 72 horas); e 3) planejamento de médio prazo, responsável pela avaliação dos impactos da crise e pelas ações de recuperação posteriores (3 meses).

Com esta estrutura, é possível garantir que o planejamento seja realizado adequadamente. “É muito comum que o planejamento seja deixado em segundo plano, frente o dinamismo das ações diárias, e isso não deve acontecer”, completa Strasser.

Com seus mais de 20 anos de atuação, a Fundação Ezute trabalha para contribuir com a transformação e a melhoria da efetividade das organizações brasileiras, principalmente as públicas, e já desenvolveu mais de 100 programas e projetos estratégicos que geraram importantes impactos para a sociedade.

 

Informações à imprensa:
Rossi Comunicação
Valéria Rossi | + 55 11 9348-8562
Claudia Pereira | + 55 11 9 9415-1457

12
mar

Pioneirismo: Fundação Ezute celebra apoio à primeira parceria público-privada de Santa Catarina

Pioneirismo: Fundação Ezute celebra apoio à primeira parceria público-privada de Santa Catarina

 

O município de Timbó é responsável por um feito inédito em Santa Catarina: implementará, com o apoio da Fundação Ezute, a primeira parceria público-privada do Estado. A medida inovadora vai proporcionar a modernização no sistema de iluminação pública, o que resultará em uma economia de consumo na ordem de 56% e redução dos custos de operação do sistema superior a 14%.

A modernização do sistema será realizada em um prazo de 12 meses. Nesse período, todas as mais de 7 mil luminárias serão trocadas por LED.

A duração do contrato da PPP para modernização, remodelação e melhor eficiência de iluminação pública no município é de 20 anos.  A empresa vencedora do processo de licitação foi a Quark Engenharia.

A Fundação Ezute faz parte do processo desde abril de 2019, oferecendo assessoria técnica para estruturação do projeto. O diretor de inovação e PPPs, Thomas Strasser, explica que esse processo de estruturação foi marcado pelo esforço conjunto dos grupos técnicos do município de Timbó e da Fundação Ezute.

“O projeto passou por audiência pública e recebeu todas as aprovações necessárias dos órgãos públicos envolvidos, homologando um vencedor em pouco mais de oito meses de trabalho intenso”, disse Strasser. Ele comenta que, em geral, apenas 8% dos PMIs (Procedimentos de Manifestação de Interesse) tradicionais tornam-se contrato. “No modelo de trabalho de PPPs realizado pela Ezute, a possibilidade de concretização, atraindo a iniciativa privada, é muito maior, como estamos vendo em Timbó”, explicou.

O pioneirismo de uma PPP em Santa Catarina é comemorado pelos representantes da Prefeitura de Timbó. “É a primeira PPP da história de Santa Catarina – seja do município ou do próprio Estado. É um marco, e vai abrir caminho para outras iniciativas”, afirmou o Prefeito de Timbó, Jorge Augusto Krueger.

Modelo para eficiência energética

Para o gerente da Fundação Ezute e responsável pelo projeto, Fabio Conte, esse é um momento muito especial para a Ezute, pois consagra um modelo capaz de alavancar muitos municípios que precisam de soluções semelhantes.

“Com projetos desse porte, muitas cidades podem alcançar a eficiência energética, com adequação da iluminação pública e o reequilíbrio em suas contas. Tudo isso, de forma bastante ágil para a população, contando ainda com a capacitação da equipe pública, para a condução futura do contrato”, diz.

Fábio explica que o projeto da Fundação Ezute envolveu o desenvolvimento institucional da Prefeitura de Timbó, com o diagnóstico da situação fiscal e regulatória do município; a capacitação da equipe da prefeitura; a estruturação do projeto, incluindo os estudos técnicos, operacionais, jurídicos e econômico-financeiros; e o apoio nas etapas de consulta pública, audiência pública, validação do projeto com os órgãos de controle e processo licitatório.

O projeto prevê investimentos pela empresa vencedora da licitação na ordem de R$ 14 milhões, os quais serão aplicados na substituição das luminárias por tecnologia LED, e irão promover melhor luminosidade nas ruas, com redução do consumo de, no mínimo, 56%.

Sobre a Fundação Ezute

Organização privada sem fins lucrativos que tem como missão contribuir para a transformação das organizações brasileiras, especialmente as públicas. Apoia todo o ciclo de vida de programas e projetos, voltados sobretudo às áreas de defesa, saúde, meio ambiente, segurança pública, mobilidade urbana e parcerias público-privadas (PPPs).

A Ezute desempenha o papel de honest broker, atuando como mediadora isenta e livre de conflitos de interesse em iniciativas que envolvem governo, empresa, academia e sociedade. Participa de projetos de alta complexidade e grande expressão nacional, entre eles o Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM), da FAB; o Sistema de Monitoramento da Amazônia Azul (SisGAAz), o Programa de Míssil Antinavio (MANSUP) e o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), da Marinha; e os sistemas integrados de Gestão da Saúde (SIGA-SAÚDE) e de Bilhete Único, ambos do Município de São Paulo.

Com a PPP, as lâmpadas comuns serão trocadas por LED e o sistema de iluminação pública será ampliado e modernizado

 

27
fev

Especialistas da Fundação Ezute participam da formação acadêmica de oficiais da Marinha

Especialistas da Fundação Ezute participam da formação acadêmica de oficiais da Marinha

 

A Fundação Ezute participa dos Cursos de Aperfeiçoamento Avançado do Centro de Instrução Almirante Wanderkolk (CIAW) do Comando da Marinha, por meio de Termo de Cooperação Técnico Científico firmado com a PUC-RJ.

Ficou a cargo da Ezute a realização de quatro disciplinas, distribuídas nos cursos de Segurança da Informação e Comunicações, Sistemas de Armas e Sistemas de Guerra Eletrônica. As disciplinas Conceitos de “Software” para Sistemas de Armas (CSA), Integração de Sistemas de Combate (ISC), Rastreamento Multialvo e Fusão de Dados Multisensor (FDM) e Gerência de Projetos e Logística (GPL) estão sendo ministradas pelos engenheiros especialistas em Systems Engineering da Fundação Ezute, Cleber Oliveira, José Maria Bianco e Claudia Tocantins.

A gerente de Projetos, Claudia A. Tocantins, ministrou a disciplina Gestão de Projetos e Logística em suas três turmas e teve um retorno bastante positivo por parte dos alunos.

“Parabenizo os oficiais-alunos pelo excelente desempenho. Tenho tido uma imensa satisfação em contribuir com a formação e aperfeiçoamento de oficiais da Marinha. Durante a minha disciplina, tive a chance de compartilhar minha experiência na área de gestão de projetos e discutir as tendências do mercado para lidar com a complexidade do mundo atual”, comenta Claudia.

O curso contou ainda com aulas das disciplinas de Engenharia e Integração de Sistemas e Software, ministradas pelo gerente de projeto da Fundação Ezute, Jose Fernando Maria Bianco Filho.

“O contato acadêmico com os futuros comandantes da Marinha é uma experiência muito gratificante. A oportunidade de exposição aos alunos de assuntos de interesse comum e da troca de ideias sobre a aplicação destes conhecimentos a problemas atuais da nossa Marinha com os possíveis encarregados de resolvê-los no futuro tem sido muito positiva”, afirmou Bianco.

 

3
dez

Fundação Ezute é finalista no Prêmio PPP Awards 2019 na categoria “Ideia mais inovadora do ano”

Fundação Ezute é finalista no prêmio ppp awards 2019 na categoria “ideia mais inovadora do ano”

 

 

A Fundação Ezute é finalista no Prêmio PPP Awards 2019, um dos mais importantes prêmios de PPP (Parceria Público-Privada) do país.

A iniciativa é das empresas Radar PPP e Sator, que promovem, pelo terceiro ano consecutivo, a PPP Awards & Conference Brazil 2019, acreditando que as PPPs são, hoje, uma necessidade para o poder público e que crescem na mesma velocidade e urgência que os serviços públicos demandam. Por isso, a importância de projetos desenvolvidos nessa área. O objetivo da Conference é valorizar, enaltecer e contribuir para comunicar os bons trabalhos nessa área.

O projeto da Ezute foi selecionado na categoria “Ideia mais Inovadora do ano” e tem como tema “Cooperação entre organização da sociedade civil e administração pública para apoiar a estruturação e modelagem de projetos de Concessão e/ou PPP, com “funding” da iniciativa privada”.

Por meio de um chamamento público, a organização anuncia que está captando recursos de parceiros privados a título de “doação com encargo”. A doação é feita à Ezute, que assume a responsabilidade de empregar esses recursos exclusivamente na estruturação de projetos de PPP ou concessão, no setor especificado no chamamento.

“O modelo inovador da Ezute para estruturação de Parcerias Público-Privadas (PPPs) e Concessões, alternativo ao Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI, tem o intuito de trazer mais isenção e efetividade à modelagem destes projetos complexos. E, neste quesito, temos um papel muito importante, pois atuamos com neutralidade e imparcialidade, livres de conflitos de interesse. Já estamos atuando com esse modelo de captação de recursos da iniciativa privada em projetos de Saneamento para Pomerode (SC) e para Floriano (PI), com bastante sucesso”, afirma Thomas Strasser, Diretor de Mercado Civil e Parcerias da Ezute.

A Fundação Ezute é a primeira fundação do Brasil a obter a certificação ISO 37.001, antissuborno / anticorrupção.

“A Ezute tem o compromisso de atuar com elevado nível de compliance, e tivemos a preocupação de apresentar e discutir o modelo com entidades e empresas do setor de saneamento, de forma a preservar a isenção da Fundação no processo. Além disso, a Curadoria de Fundações do Ministério Público do Estado de São Paulo receberá informes periódicos de prestação de contas da Fundação sobre a execução deste modelo”, conclui Thomas.

Premiação

A premiação será realizada na 3ª Edição do PPP Awards & Conference Brazil, no dia 10 de dezembro de 2019, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo, e reunirá especialistas, autoridades, entidades, governos e empresas, reforçando a missão do evento que é estreitar relacionamento entre agentes dos setores públicos e privados, reconhecendo práticas elogiáveis (saiba mais sobre o evento abaixo).

O evento premiará as melhores iniciativas do Brasil nesse segmento e apresentará os projetos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) e Concessões, além de debater o tema, considerando os diversos aspectos e complexidade, do ponto de vista dos vários players do setor.

Além da “Ideia mais Inovadora do Ano”, as outras categorias são “Projeto do Ano”; “Unidade de PPP do Ano”; “Concessionária do Ano” e “Modelagem do Ano”.

Dois motivos para comemorar

De forma indireta, a Ezute também está envolvida na categoria “Modelagem do Ano”. A Prefeitura de Timbó é uma das finalistas do prêmio, graças à um projeto de “Iluminação Pública”, que contou com o apoio da Fundação Ezute.

A Ezute faz parte do processo desde abril de 2019, oferecendo assessoria técnica para estruturação do projeto, que prevê a modernização, a remodelação e a melhor eficiência da iluminação pública da cidade.

Sobre a Fundação Ezute

Organização privada sem fins lucrativos que tem como missão contribuir para a transformação das organizações brasileiras, especialmente as públicas. Apoia todo o ciclo de vida de programas e projetos, voltados sobretudo às áreas de defesa, saúde, meio ambiente, segurança pública, mobilidade urbana e parcerias público-privadas (PPPs). Desempenha o papel de honest broker, atuando como mediador isento e livre de conflitos de interesse em iniciativas que envolvem governo, empresa, academia e sociedade. Participa de projetos de alta complexidade e grande expressão nacional, entre eles o Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM), da FAB; o Sistema de Monitoramento da Amazônia Azul (SisGAAz), o Programa de Míssil Antinavio (MANSUP) e o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), da Marinha; e os sistemas integrados de Gestão da Saúde (SIGA-SAÚDE) e de Bilhete Único, ambos do Município de São Paulo. Site: www.ezute.org.br 

Saiba mais sobre a premiação PPP Awards:

A Programação completa do PPP Awards & Conference Brazil 2019 está disponível em: https://pppawards.com.br/programacao/

Credenciamento para a imprensa:

O credenciamento para os profissionais de imprensa que desejam participar da cobertura da 3ª edição do PPP Awards & Conference Brazil está disponível pelo e-mail: [email protected]É necessário informar: nome, função, veículo e contatos

Serviço:

PPP Awards & Conference Brazil| Edição 2019
Data:
  10 de dezembro de 2019 (TERÇA-FEIRA)

Horário: das 9h às 20h
Local: Centro de Convenções Frei Caneca, Rua Frei Caneca, 569, Consolação, São Paulo/SP
Mais Informações: www.pppawards.com.br