30
set

Ezute apresenta projeto de PPP de Iluminação Pública em Audiência Pública de Timbó (SC)

EZUTE APRESENTA PROJETO DE PPP DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM AUDIÊNCIA PÚBLICA DE TIMBÓ (SC)

 

No dia 12 de setembro, aconteceu na Câmara de Vereadores de Timbó (SC), uma audiência pública para o projeto de Parceria Público-Privada de iluminação pública do município.

A Ezute faz parte da iniciativa por meio de assessoria técnica para estruturação do projeto, que prevê a modernização, a remodelação e a melhor eficiência da iluminação pública da cidade.

Durante a audiência, o projeto foi apresentado pelo especialista em PPPs de iluminação pública da Ezute, Fabio Luiz Conte. Também esteve presente o diretor de inovação e PPPs da Fundação Ezute, Thomas Strasser.

O objetivo da audiência, realizada 30 dias após a publicação do projeto no site da Prefeitura de Timbó para consulta pública, foi compartilhar os estudos e escopo com a sociedade civil. O próximo passo será a aprovação do projeto pelo Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina, para posterior lançamento da licitação.

O evento contou com a presença do Prefeito Jorge Kruger; do Procurador Geral Giscard Ataides Wolter Bertoldi; do Secretário de Obras e Serviços Urbanos; Adilson Mesch; do Secretário de Planejamento, Trânsito, Meio Ambiente, Indústria, Comércio e Serviços, Moacyr Cristofolini Júnior; entre outras autoridades. Também participaram os representantes da população local e de empresários interessados no projeto; bem como de profissionais que representam a cidade de Timbó, como o advogado Jean Pierre Bezerra Museka; o economista Romero Espíndola e Silva; e o engenheiro Leonardo Klingenfus Antunes.

Confira AQUI o vídeo com a íntegra da audiência pública.

Confira a apresentação completa feita durante a Audiência – AUDIÊNCIA PÚBLICA_TIMBÓ_12SET2019

Da esq. para dir. Jean Pierre, Fabio Luiz Conte, Giscard Ataide, Thomas Strasser, Jorge, Adilson, Romero, Moacyr e Leonardo.

30
set

Ezute é destaque no Connected Smart Cities e Mobility com novo modelo para estruturação de concessões e PPPs

EZUTE É DESTAQUE NO CONNECTED SMART CITIES E MOBILITY COM NOVO MODELO PARA ESTRUTURAÇÃO DE CONCESSÕES E PPPS

Neste mês de setembro, a Fundação Ezute participou do Connected Smart Cities, um dos maiores eventos sobre cidades inteligentes e mobilidade do país.

O evento contemplou exposição de produtos, serviços e soluções para cidades inteligentes, destacando os lançamentos e tendências mundiais, por exemplo, para mobilidade – modais; iluminação; geotecnologias e drones, Tech Lounge com realidade virtual, arena drones, entre outras inovações e tendências que estão sendo implementadas mundialmente.

A Fundação Ezute apresentou um modelo inovador para a estruturação de concessões e Parcerias Público-Privadas (PPPs), alternativo ao Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI. Nesse modelo, a Ezute assume, por meio de chamamentos públicos, a captação de recursos financeiros privados a título de doação com encargo, e estrutura os projetos, sem custos para a administração pública, por meio de acordos de cooperação.

 “O objetivo da Ezute no evento, onde estiveram presentes representantes do setor público e privado, foi atrair mais municípios para esse modelo, que já está funcionando na área de Saneamento Básico, em cidades dos estados do Piauí e Santa Catarina”, explica o diretor de inovação e PPPs da Fundação Ezute, Thomas Strasser.

 A Fundação visou também a captação de recursos de outras empresas para ganhar escala nesse modelo e atender outros municípios, consórcios intermunicipais e estados em todo o país, além de replicar este modelo para quaisquer outros segmentos da infraestrutura.

Durante o evento, Thomas participou de um painel para apresentar o novo modelo de estruturação de concessões e PPPs ao público. Estiveram no Connected Smart Cities cerca de e 300 prefeituras e mais de 500 empresas, com quem os expositores tiveram também a oportunidade de conversar por meio das “Rodadas de Negócios”.

O Connected Smart Cities é composto pelos eixos temáticos: mobilidade, urbanismo, meio ambiente, tecnologia e inovação, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo, governança e energia, e reúne os diversos agentes relacionados aos governos, empresas e entidades nacionais e internacionais.

17
set

Fundação Ezute participa do Connected Smart Cities e Mobility 2019 nesta 3ª e 4ª (17 e 18/09), em São Paulo

FUNDAÇÃO EZUTE PARTICIPA DO CONNECTED SMART CITIES E MOBILITY 2019 NESTA 3ª E 4ª (17 E 18/09), EM SÃO PAULO

Ezute apresentará um modelo inovador para a estruturação de concessões e Parcerias Público-Privadas; modelo promove o apoio ao poder público em todas as etapas do ciclo de vida dos empreendimentos, trazendo uma eficiência muito maior que o PMI

Nesta 3ª e 4ª (17 e 18 de setembro), São Paulo sediará o Connected Smart Cities e Mobility, as mais importantes iniciativas de cidades inteligentes e mobilidade do país, respectivamente.

Os eventos contemplam exposição de produtos, serviços e soluções para cidades inteligentes, destacando os lançamentos e tendências, por exemplo, para mobilidade – contemplando os vários modais, iluminação; geotecnologias e drones, Tech Lounge com realidade virtual, arena drones, entre outras inovações e tendências que estão sendo implementadas mundialmente.

A Fundação Ezute apresentará no Connected Smart Cities 2019 um modelo inovador para a estruturação de concessões e Parcerias Público-Privadas (PPPs), alternativo ao Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI. Nesse modelo, a Ezute assume, por meio de chamamentos públicos, a captação de recursos financeiros privados a título de doação com encargo, e estrutura os projetos, sem custos para a administração pública, por meio de acordos de cooperação.

 “O objetivo da Ezute no evento onde estão presentes representantes do setor público e privado é atrair mais municípios para esse modelo, que já está funcionando na área de Saneamento Básico, em cidades dos estados do Piauí e Santa Catarina”, explica o diretor de inovação e PPPs da Fundação Ezute, Thomas Strasser.

A Fundação visa também a captação de recursos de outras empresas para ganhar escala nesse modelo e atender outros municípios, consórcios intermunicipais e estados em todo o país, além de replicar este modelo para quaisquer outros segmentos da infraestrutura.  

Painel Ezute

 No dia 18 de setembro, às 14h, o diretor de inovação e PPPs da Fundação Ezute, Thomas Strasser apresentará um painel exclusivo sobre o novo modelo para a estruturação de concessões e Parcerias Público-Privadas (PPPs). O público poderá obter informações aprofundadas sobre o assunto e tirar dúvidas.

 Bons negócios

 Segundo a idealizadora das plataformas e diretora executiva da Sator, Paula Faria, nos dois dias, os evento deverão reunir, em um espaço de mais de sete mil m², mais de três mil participantes, 150 palestrantes nacionais e internacionais, 90 painéis em 12 palcos simultâneos- em formato totalmente inovador, além da presença de cerca de 300 prefeituras e mais de 500 empresas.

A diretora executiva da Sator cita, ainda, que a plataforma Connected Smart Cities é a iniciativa de cidade inteligentes, no Brasil, que mais gera negócios para esse segmento. “Por meio das Rodadas de Negócios, que utilizam sistema de agendamento totalmente digital e interativo, para agendamento entre os participantes, as empresas, entidades e governos têm acesso as oportunidades nos diversos segmentos. Nesse sentido, devemos realizar esse ano mais de 600 Rodadas, superando a edição anterior”, conclui Paula Faria.

O Connected Smart Cities é composto pelos eixos temáticos: mobilidade, urbanismo, meio ambiente, tecnologia e inovação, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo, governança e energia, e reunirá os diversos agentes relacionados aos governos, empresas e entidades nacionais e internacionais.

Com foco na mobilidade do Brasil, o Connected Smart Mobility trará uma Agenda Estratégica e, nesse sentido, a programação do evento contempla os temas: mobilidade para as pessoas, mobilidade ativa, mobilidade compartilhada, veículos elétricos, análise de dados, conectividade & integração e tendências.

Serviço

Connected Smart Cities e Mobility
Data:
17 e 18 de setembro de 2019

Local: Centro de Convenções Frei Caneca, Rua Frei Caneca, 569, Consolação, São Paulo/SP

16
set

Fundação Ezute apresenta modelo de estruturação de PPPs para Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos

FUNDAÇÃO EZUTE APRESENTA MODELO DE ESTRUTURAÇÃO DE PPPS PARA SECRETARIA DO PROGRAMA DE PARCERIAS DE INVESTIMENTOS

 

O Diretor de Inovação e Parcerias Público-Privadas da Fundação Ezute, Thomas Strasser, foi recebido no último dia 30/08 pela Secretária Especial da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos, Martha Seillier, para apresentar o modelo inovador de estruturação de concessões e PPPs da Ezute e propor uma parceria com a SPPI para ganho de escala do modelo.

Neste modelo, a Fundação Ezute assume, por meio de chamamentos públicos, a captação de recursos financeiros privados a título de doação com encargo e estrutura os projetos sem custos para a administração pública, através de acordos de cooperação em conformidade com a Lei 13.019/2014. Os potenciais doadores são organizações ou empresas com interesse em fomentar os setores abrangidos pelos editais.

O modelo da Fundação Ezute promove o apoio ao poder público não apenas na estruturação do projeto, mas em todas as etapas do ciclo de vida dos empreendimentos, trazendo uma eficiência muito maior que o PMI, pois permite a participação de uma entidade livre de conflitos de interesses, que atue como honest broker neste processo, garantindo a isenção e permitindo ao órgão público tomar decisões com imparcialidade e clareza.

No setor de saneamento, o modelo já recebeu um aporte inicial da iniciativa privada e já beneficia os estados do Piauí e de Santa Catarina. O acordo de cooperação entre a Ezute e a Superintendência de Parcerias e Concessões do Governo do Estado do Piauí envolve a estruturação da concessão de saneamento (água e esgoto) do município de Floriano, com uma modelagem jurídica inovadora que permitirá a posterior adesão dos demais 18 municípios da região do Tabuleiro dos Rios Piauí e Itaueiras, no interior do estado.

No caso do Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí, em Santa Catarina, que congrega 17 municípios, o projeto iniciou com a concessão de saneamento (também água e esgoto) do município de Pomerode.

A Ezute já foi procurada por outros municípios, consórcios intermunicipais e mesmo governos estaduais interessados neste modelo e aguarda apenas novas doações para iniciar estes novos projetos.

A SPPI conheceu a Fundação Ezute e seus projetos e avalia como positiva a iniciativa de estruturação de projetos de saneamento, visando a formação de parcerias privadas para a concessão dos serviços. Também participaram da reunião a Secretária de Fomento e Apoio a Parcerias de Entes Federativos da SPPI, Veronica Sánchez da Cruz Rios e o Gerente de Originação Norte e Centro-Oeste do BNDES, Mario Alberto Costa Miranda.

13
ago

Dia Mundial de Combate à Poluição: o que fazer para sanar esse problema?

DIA MUNDIAL DE COMBATE À POLUIÇÃO: O QUE FAZER PARA SANAR ESSE PROBLEMA?

 

Crédito: Pixabay.

 

Dia 14 de agosto é o Dia Mundial de Combate à Poluição. A Fundação Ezute está engajada nessa causa e convida você a repensar os seus hábitos de consumo. Veja dicas aqui.

 

Dia 14 de agosto é o Dia Mundial do Combate à Poluição! Nessa data tão importante, a Fundação Ezute convida a todos para refletirem sobre seus hábitos de consumo, especialmente com relação ao descarte de lixo. Segundo um levantamento da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), 78 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos foram gerados no Brasil em 2017. E como tudo isso foi descartado? Apenas 22% dos municípios brasileiros possuem hoje programas de coleta seletiva, de acordo com a organização Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre). Ou seja, a grande maioria do lixo costuma ser descartada de forma inadequada, gerando impactos terríveis ao meio ambiente.

Lixo nas ruas gera obstrução de bueiros, causando enchentes, destruição de casas e até mortes. As consequências podem ser desastrosas também quando os resíduos não são levados para os aterros sanitários e vão parar em lixões – locais a céu aberto, sem nenhum tipo de tratamento ou proteção ao meio ambiente. Nesse caso, os resíduos geram emissões de gases na decomposição, poluindo o ar e prejudicando nossa saúde. Soma-se a isso a produção de chorume, que invade os solos e os lençóis freáticos, prejudicando a qualidade da água. O problema se agrava mais ainda quando os descartáveis não são biodegradáveis, como os plásticos, que demoram séculos para se decompor na natureza. Quando chegam até os mares, acabam fatalmente matando animais, como as tartarugas marinhas.

Como podemos colaborar para mudar essa realidade? A Fundação Ezute vem se engajando nessa causa. A organização tem especialistas para apoiar os municípios no estudo e modelagem de Parcerias Público-Privadas (PPPs) para a coleta e destinação adequada dos resíduos. Há pouco tempo, abriu um edital para captação de recursos junto à iniciativa privada e alguns consórcios de municípios já manifestaram interesse nesse modelo (clique aqui para acessá-lo). Trata-se de um problema complexo, cujo equacionamento requer uma visão sistêmica para além dos limites municipais, necessariamente envolvendo soluções regionalizadas por meio de consórcios públicos, como é o caso do CIMVI – Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí, em Santa Catarina.

O que você pode fazer para combater a poluição?
Cada cidadão também pode contribuir para diminuir a poluição ambiental. O primeiro passo é separar os resíduos que podem ser reciclados. Depois levá-los para os postos e serviços de coleta seletiva da sua cidade. Veja lista abaixo.

Plásticos
Recicláveis: embalagens de alimentos, xampus, detergentes e outros produtos de uso doméstico. Sacolas, canetas, escovas de dente, baldes, copos, isopor, acrílico, tubos de PVC.
Não recicláveis: celofane e embalagens metalizadas.

Papéis
Recicláveis: papéis de escritório, caderno, jornais, revistas, panfletos, cartões, cartolina, caixas de papelão, embalagens longa vida, embrulhos de presentes.
Não recicláveis: papéis sujos, engordurados ou contaminados, papel higiênico, fotografias, fitas e etiquetas adesivas, plastificados, de alumínio, impermeáveis.

Metais
Recicláveis: latas em geral (óleo, cremes, conservas), alumínios (latinhas de refrigerante e de cerveja), ferragens, arame, fios de cobre, panela (sem cabo).
Não recicláveis: esponja de aço, latas de tinta e de verniz.

Vidros
Recicláveis: garrafas e frascos em geral.
Não recicláveis: vidros de janela, vidros de automóveis, tubos de TV, espelhos, cristal.

Exigem descarte especializado
Medicamentos, lâmpadas, pilhas e baterias, óleo de cozinha, lata de aerosol e latas de tinta, pneus, lixo eletrônico (celulares, computadores, baterias, impressoras, Tvs).
Fonte: eCycle.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

17
jul

Fundação Ezute desenvolve sistemas para melhoria da gestão dos recursos hídricos

Fundação Ezute desenvolve sistemas para melhoria da gestão dos recursos hídricos

FUNDAÇÃO EZUTE DESENVOLVE SISTEMAS PARA MELHORIA DA GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

 

Dentre os sistemas desenvolvidos destacam-se os de Outorga Eletrônica e de Cálculo de Cobrança acessados via web.

 

A Ezute criou um Sistema de Outorga Eletrônica, que permite ao órgão gestor estadual de recursos hídricos evoluir seu processo atual de cadastro e análise técnica de requerimentos. Por esse sistema, qualquer usuário pode solicitar a outorga de direito de uso ou interferência em corpos hídricos superficiais e subterrâneas pela Internet.

O Sistema de Outorga Eletrônica é um sistema web composto de três subsistemas: requerimento, acompanhamento e administração. O primeiro possibilita que o usuário de recursos hídricos preencha e envie os requerimentos de forma eletrônica, a partir das informações de geolocalização e finalidade, disponibilizando o formulário de acordo com as respostas do usuário, via Internet. Finalizado o envio do requerimento, o usuário terá acesso ao boleto para pagamento dos emolumentos e poderá acompanhar seu processo pela Internet. A solução conta com uma opção de auto emissão para situações simplificadas de outorga, que permite uma configuração a partir de análise multicritério, por ottobacia, o que garante seu uso de forma criteriosa pelo órgão gestor. Com o cadastro ou Outorga de Direito de Uso deferidos, o documento é assinado eletronicamente e disponibilizado ao usuário no mesmo portal que o usuário enviou seu requerimento na Internet.

O Subsistema de Acompanhamento possibilita o envio para a Gerência de Bacia/Diretoria de Bacia/Setor responsável pela análise técnica dos requerimentos, de acordo com a configuração definida pelo órgão gestor. Uma vez validado, o requerimento é tramitado de forma eletrônica e passa por um fluxo de aprovação (workflow). A análise técnica e elaboração do parecer técnico são realizados com auxílio de ferramentas de geolocalização, permitindo ao técnico a visualização de camadas de usos outorgados, requerimentos em tramitação, outorgas vencidas, áreas contaminadas, áreas de restrição, ottobacias (quando disponível), entre outras camadas de interesse. O GEO possui as principais ferramentas de análise: medição de distância, radial, múltipla seleção, entre outras.

Já o Subsistema de Administração garante a flexibilidade da solução para o contexto do órgão gestor. Ele possibilita ao administrador do sistema configurar a documentação a ser enviada (obrigatória e não obrigatória), as perguntas a serem realizadas aos usuários, valor dos emolumentos, finalidades, mensagens e o auto emitido. Permite ainda configurar os serviços de emissão e reemissão de boletos (padrão CNAB), serviços de geolocalização internos e externos (padrão OGC), mensagens que são enviadas para os usuários internos e externos, textos dos Atos Administrativos e serviços de envio ao Diário Oficial.

Sistema de Cobrança
A Fundação Ezute desenvolveu também um Sistema de Cobrança que reúne as funcionalidades necessárias para cadastro, parametrização, cálculo e simulação da cobrança no âmbito das Unidades de Balanço Hídricos – UBH, de responsabilidade das Agências de Bacia. Assim como o Sistema de Outorga, este também é um sistema web com três módulos: Portal do Usuário na Internet, Sistema de Cobrança e Sistema de Administração.

O Portal do Usuário na Internet permite a consulta do seu histórico de usos organizados por Unidade de Balanço Hídrico, consulta de informações dos valores calculados e cobrados, a visualização da fórmula de cálculo e uma interface para envio dos dados de medição, previsão e documentação comprobatória, de acordo com as regras estipuladas pela Agência de Bacia.

Já o Sistema de Cobrança é de uso interno das Agências e permite o cadastro dos usos e usuários, seja de forma manual, importação de arquivo ou de forma automática (webservices). O sistema também possibilita a tramitação dos lotes de cobrança através de um fluxo de aprovação simplificado.

O sistema possui ainda uma calculadora de cobrança parametrizável que não apenas apresenta o cálculo final da cobrança como também permite simulações de cenários tanto por parte do técnico da Agência como também pelo próprio usuário na Internet. O sistema permite também a cobrança imediata de novos usuários, logo após a importação dos dados enviados pelo órgão gestor.

O terceiro módulo é o Sistema de Administração. Ele permite a parametrização do cálculo da cobrança conforme arranjo definido na legislação da cobrança. Além disso, possui funcionalidades para controle do acesso aos usuários internos com configuração de perfil e dos usuários externos (alteração de e-mail e reenvio de senhas).

15
jul

Fundação Ezute marca presença na 8ª edição da CSTM

Fundação Ezute marca presença na 8ª edição da CSTM

O Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, visita o estande da Fundação Ezute na 8ª edição da CSTM.

Organização divulgou, durante o evento, soluções e serviços especializados para o segmento de defesa e segurança.

A Fundação Ezute participou da 8ª edição da CSTM – Fórum e Exposição para a Simulação e Tecnologia Militar, um dos mais importantes eventos de defesa e segurança da América Latina, no Centro Internacional de Convenções do Brasil, em Brasília, de 24 a 27 de junho. A organização, que utiliza Systems Engineering para resolver problemas complexos e desenvolver programas e projetos estratégicos focados em defesa, espaço, segurança pública, saúde, meio ambiente, mobilidade urbana e parcerias público-privadas (PPP), foi expositora no evento.

A equipe da Ezute esteve no estande C35 para apresentar aos visitantes suas principais contribuições em projetos estratégicos na área de Defesa, dentre os quais o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), o Programa de Míssil Antinavio de Superfície (MANSUP), o Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM) da Força Aérea Brasileira, o Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SISGAAz), da Marinha do Brasil, bem como a concepção preliminar do atual SISFRON, projeto do Exército Brasileiro para a proteção das fronteiras terrestres.

Durante o evento, o time da Ezute recebeu a visita do Vice-Presidente da República Hamilton Mourão. Também marcaram presença no estande da organização o Gen Bda Maurilio Miranda Netto Ribeiro, diretor da DSMEM; Cel Stocchero, coordenador do SISDIA do EB no Rio Grande do Sul; Cel Orlianges, adido militar francês no Brasil; e a comitiva do Ministério da Defesa representada por Gen Div José Eduardo, Brig Eng Paim e C Alte (FN) Tinoco.

“A Ezute, como tem feito todos os anos, esteve mais uma vez presente na CSTM, que é um importante evento promovido pelo Exército Brasileiro, com foco não só em simulação, mas também em tecnologia de defesa e segurança. Nós apresentamos nossas capacidades no apoio ao governo e a nossa participação em programas estratégicos brasileiros”, destaca Andrea Hemerly, diretora de Mercado Defesa e Espacial da Fundação Ezute.

12
jul

Bolsistas da Fundação Ezute apresentam estudos relevantes sobre tecnologia de vigilância e Funções das Marinhas

Bolsistas da Fundação Ezute apresentam estudos relevantes sobre tecnologia de vigilância e Funções das Marinhas

Alunos da EGN tiveram o apoio da organização para desenvolverem pesquisas sobre Funções das Marinhas e tecnologia de vigilância.

 

O que é Consciência Situacional Marítima – CSM? Quais são os conceitos de segurança marítima? Como a tecnologia de vigilância pode auxiliar estrategicamente na defesa de um país? Esses temas foram abordados em duas dissertações de mestrado de dois alunos do Programa de Pós-Graduação em Estudos Marítimos da Escola de Guerra Naval (EGN), e tiveram o apoio de bolsas da Fundação Ezute.

Vinicius Janick defende sua dissertação de mestrado na EGN. Crédito: arquivo pessoal.

Vinicius Janick foi um dos bolsistas. Ele desenvolveu a dissertação: “Poder marítimo, funções das Marinhas e Consciência Situacional Marítima“. O objetivo do estudo foi mostrar como as Funções das Marinhas (diplomáticas, militares e constabulares) se modificam de acordo com as mudanças na interpretação do conceito de segurança ao longo do tempo. “A análise permitiu identificar que a hipótese de que as funções constabulares cresceriam em importância é factível. A interdependência entre os Estados encoraja a relação diplomática. Sendo assim, as ameaças que afligem os Estados são em grande parte não-estatais e de caráter difuso, como terrorismo, tráfico de pessoas e narcóticos ou migração ilegal, melhor combatidas com atividades de cunho constabular, de inteligência e fiscalização. Isso não exclui, contudo, comportamento de cunho militar em situações específicas”, explica o especialista.Janick também abordou em seu estudo o conceito de Consciência Situacional Marítima, um tema relativamente novo e com pouca literatura no Brasil, mas que vem crescendo em importância. “Trata-se de um conceito que diz respeito à aquisição e domínio de informação. É intuitivamente associado às funções constabulares. Contudo, a análise que fiz de documentos demonstrou de maneira clara que a CSM pode ser um instrumento para todas as Funções da Marinha”, complementa ele.

Rita Feodrippe apresenta sua pesquisa na EGN. Crédito: arquivo pessoal.

Rita Feodrippe é a outra bolsista, que produziu a dissertação: “A importância da tecnologia de vigilância para a estratégia marítima chinesa no mar do Sul da China“. “A conclusão da minha pesquisa é a de que a China utiliza uma combinação de tecnologias de vigilância, como satélites, radares em terra e patrulha aeronaval/marítima, e isso beneficia sua estratégia marítima para a região Sul, uma vez que lhe dá ampla gama de atuações, além de alterar a percepção por parte de seus países vizinhos. Assim, dependendo da tecnologia utilizada, a assertividade chinesa cresce ou diminui. A vigilância conduzida por um navio-patrulha da Marinha chinesa, por exemplo, é vista com desconfiança pelos outros países, pois sua materialidade é muito óbvia e, a ameaça, mais direta. Já a geração de imagens por satélites permite uma flexibilização do diálogo de política externa, uma vez que a vigilância é feita à distância e quase em um contexto de ‘invisibilidade’ da parte vigilante – ainda que os países no entorno saibam que a China está permanentemente de olho”, conta a estudiosa.

Para os dois alunos, as bolsas da Fundação Ezute foram fundamentais para o sucesso de seus estudos. “Durante os dois anos em que recebi a bolsa, pude vivenciar diversas situações que podem surgir em um processo de pesquisa científica, desde as boas até as mais complexas. Percebi que não basta apenas aprimorar o conhecimento, mas também a capacidade de utilizar o modelo científico de pesquisa e produção de conhecimento”, diz Janick. Feodrippe também valoriza a experiência como bolsista da organização. “Aprendi bastante durante os ciclos de pesquisa realizados entre a EGN e a Fundação Ezute. Acho que ser bolsista da Fundação Ezute foi, e ainda é, também fundamental para minha vida acadêmica e profissional pós-mestrado, pois ajuda em minha apresentação junto a empresas e na submissão de projetos e bolsas, seja para apresentação de trabalhos, seja para ingresso no doutorado”, relata ela.“Além da produção de suas dissertações, esses bolsistas participaram ativamente na elaboração de artigos e dos relatórios atinentes aos ciclos de pesquisa previstos nos Planos de Trabalho sobre os temas ‘Modelos de Gerenciamento de Ciclo de Vida aplicados à Defesa’(2017) e ‘Gestão do Ciclo de vida de Tecnologias Produzidas pelo Governo’ (2018)”, explica Cleber Oliveira, especialista em Engenharia de Sistemas, e coordenador do ciclo de pesquisa pela Ezute.

Com base no Termo de Cooperação entre a EGN e a Fundação Ezute assinado em outubro de 2015, os temas dos ciclos de pesquisa são definidos nos Planos de Trabalho acordados anualmente e visam a fomentar estudos e pesquisas, com a participação dos bolsistas da Ezute, nas áreas de segurança, defesa e estratégia marítima.

Desde o início do Programa de Pós-Graduação em Estudos Marítimos (PPGEM) da EGN, a Ezute vem fomentando e contribuindo com a formação de recursos humanos de alto nível, por meio da concessão de bolsas de estudos integrais de mestrado e de iniciação científica no PPGEM. “Com a Rita e o Vinicius, concluímos até agora 9 bolsas de mestrado e 4 bolsas de iniciação científica. Atualmente temos três bolsas de mestrado vigentes“, diz Cleber Oliveira.

2
maio

Fundação Ezute e Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí firmam acordo de cooperação em saneamento

Fundação Ezute e Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí firmam acordo de cooperação em saneamento

A Fundação Ezute e o Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí (CIMVI) firmaram um acordo de cooperação visando estabelecer a cooperação técnica para estruturação e desenvolvimento de estudos de modelagem para projetos de concessão ou parceria público privada (PPP) em saneamento nos Municípios de Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Pomerode e Timbó. Para marcar o início dos trabalhos, foi realizada uma cerimônia no dia 8 de maio, na Prefeitura de Pomerode.

“O acordo de cooperação tem como objetivo o apoio ao CIMVI na estruturação dos projetos de concessão ou PPP dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário nos Municípios, individualmente ou em conjunto, segundo o que se mostrar mais viável ao longo dos estudos”, adianta o diretor de Inovação e Parcerias Público-Privadas da Ezute, Thomas Strasser. “O nosso trabalho envolverá o levantamento da situação dos municípios quanto à existência de ambiente técnico, jurídico e regulatório favoráveis à estruturação da concessão, ou PPP de saneamento e, uma vez vencida esta etapa inicial, passaremos à estruturação completa do projeto, incluindo os estudos técnicos, operacionais, econômico-financeiros e jurídicos, inclusive acompanhando as etapas de consulta pública, audiência pública, validação com órgãos de controle, principalmente o TCE/SC, e licitação”.

O projeto será custeado pelos recursos captados pela Ezute junto à iniciativa privada, em resposta ao edital publicado pela Fundação em 2018. Trata-se do primeiro acordo celebrado pela Ezute na Região Sul do Brasil com recursos deste edital. O projeto envolverá inicialmente 4 dos 14 municípios consorciados ao CIMVI, mas poderá ser expandido para os demais, mediante adesão à iniciativa.

O CIMVI constitui-se como um Consórcio Público de Direito Público, multifinalitário, que se destaca com a implementação pioneira no Brasil do Programa de Licenciamento Ambiental em parceria otimizada com os municípios aderentes e o serviço de Saneamento em Resíduos Sólidos, através da gestão e disposição final no aterro sanitário consorciado estabelecido no município de Timbó. Tudo começou há 20 Anos, quando em razão de problemas ambientais comuns, decorrentes de atividades próprias do crescimento econômico-social, os municípios de Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Rio dos Cedros, Rodeio e Timbó, situados no Médio Vale do Itajaí, Estado de Santa Catarina, firmaram intenção de cooperação mútua e constituição de pessoa jurídica para a promover a gestão consorciada de atividades ligadas a recursos ambientais. Os 14 municípios que fazem parte da entidade são: Ascurra, Apiúna, Benedito Novo, Botuverá, Doutor Pedrinho, Guabiruba, Indaial, Ilhota, Luiz Alves, Massaranduba, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio e Timbó.

No setor de Concessões e PPPs, a Fundação Ezute inovou ao propor em 2018 um modelo alternativo ao Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI, para a estruturação dos projetos. No novo modelo, a Ezute assume, por meio de chamamentos públicos, a captação de recursos financeiros privados a título de doação com encargo, e estrutura os projetos, sem custos para a administração pública, através dos acordos de cooperação. Os potenciais doadores são organizações ou empresas com interesse em fomentar os setores abrangidos pelos editais. Já os beneficiários podem ser municípios, consórcios públicos ou órgãos estaduais.

O modelo da Ezute, que esteve no short list de indicados na categoria Ideia Mais Inovadora do Ano no PPP Awards 2018, promove o apoio ao poder público não apenas na estruturação do projeto, mas em todas as etapas do ciclo de vida dos empreendimentos, trazendo uma eficiência muito maior que a do PMI, processo muito empregado atualmente pelas prefeituras, por meio do qual as empresas privadas podem apoiar a gestão pública nos estudos de viabilidade. Geralmente, por envolverem diversas empresas, os PMIs acabam se tornando onerosos e, em muitos casos, envolvem interesses destoantes, informações assimétricas e ineficiências. Desta forma, a grande maioria dos projetos estruturados por PMI não prospera, por não atender plenamente à legislação vigente ou por apresentar deficiências técnicas ou econômico-financeiras na elaboração, não avançando para o estágio de licitação. Por estas razões, a cada 100 projetos estruturados por PMI no Brasil, apenas 6 se tornam contrato.

O CIMVI será o primeiro consórcio beneficiário do modelo inovador da Ezute, que garante total isenção ao longo da estruturação. Outros municípios devem adotar o mesmo modelo em breve: “o pioneirismo tem as suas dificuldades, mas com a celebração deste acordo de cooperação, tenho certeza de que outros municípios com os quais estabelecemos contato desde o ano passado ganharão confiança e também farão a adesão ao nosso modelo” comenta o executivo da Ezute.

Para dar mais transparência ao processo e facilitar a interlocução com as prefeituras, a Ezute celebrou um acordo com a FNP – Frente Nacional dos Prefeitos, em novembro passado. Além do setor de Saneamento, a Fundação Ezute já publicou editais de captação para os setores de Iluminação Pública e Resíduos Sólidos. Os editais podem ser acessados em https://ezute.org.br/editais/. Neste setor de concessões e PPPs, além de atuar na estruturação dos projetos, a Ezute também pode atuar como Verificador Independente dos contratos celebrados.

11
abr

Fundação Ezute e Governo do Piauí firmam acordo de cooperação em saneamento

Fundação Ezute e Governo do Piauí firmam acordo de cooperação em saneamento

Assinatura aconteceu nesta quinta-feira (dia 11/4), em Teresina

A Fundação Ezute e a Superintendência de Parcerias e Concessões do Estado do Piauí (SUPARC) firmaram, no dia 11/4, um acordo visando estabelecer a cooperação técnica para estruturação e desenvolvimento de estudos de modelagem para o projeto de concessão ou parceria público privada (PPP) em saneamento no Município de Floriano, no interior do estado do Piauí.

“O acordo de cooperação tem como objetivo o apoio à SUPARC na estruturação do projeto de concessão ou PPP dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de Floriano, quinto maior município do estado do Piauí, com quase 60 mil habitantes”, adianta o diretor de inovação e parcerias público-privadas da Ezute, Thomas Strasser.

O projeto é custeado pelos recursos captados pela Fundação junto à iniciativa privada, em resposta ao edital publicado pela Fundação Ezute em 2018. “O nosso trabalho envolverá o levantamento da situação do município de Floriano quanto à existência de ambiente técnico, jurídico e regulatório favoráveis à estruturação da concessão, ou PPP, de saneamento e, uma vez vencida esta etapa inicial, passaremos à estruturação completa do projeto, incluindo os estudos técnicos, operacionais, econômico-financeiros e jurídicos, inclusive acompanhando as etapas de consulta pública, audiência pública, validação com órgãos de controle e licitação”.

A SUPARC liderou o projeto de concessão dos serviços de saneamento da capital do Piauí, Teresina, que foi agraciado como o melhor projeto do ano de 2018 no evento “PPP Awards 2018”. A superintendente Viviane Bezerra pretende replicar o modelo de sucesso no interior do estado: “Já existe uma iniciativa na região do município de Picos, terceira maior cidade do estado, que será conduzida por meio de uma Manifestação de Interesse Privada, enquanto a região de Floriano será tratada no escopo do acordo de cooperação com a Ezute”. Viviane comenta que “depois de dois anos tentando atender às demandas de saneamento dos prefeitos do interior do estado por meio de blocos de municípios, sem sucesso, a ideia agora é que Picos e Floriano sejam líderes regionais das iniciativas e que os municípios nos seus entornos possam aderir aos projetos, com fluxos de caixa marginais que não impactem o fluxo de caixa do município líder”.

No setor de Concessões e PPPs, a Fundação Ezute inovou ao propor em 2018 um modelo alternativo ao Procedimento de Manifestação de Interesse – PMI, para a estruturação dos projetos. No novo modelo, a Ezute assume, por meio de chamamentos públicos, a captação de recursos financeiros privados a título de doação com encargo, e estrutura os projetos, sem custos para a administração pública, por meio de acordos de cooperação. Os potenciais doadores são organizações ou empresas com interesse em fomentar os setores abrangidos pelos editais. Já os beneficiários podem ser municípios, consórcios públicos ou órgãos estaduais.

O modelo da Ezute, que inclusive esteve no short list de indicados na categoria  “Ideia Mais Inovadora do Ano”, na mesma premiação de “PPPs” de 2018 na qual o projeto de Teresina foi agraciado, promove o apoio ao poder público não apenas na estruturação do projeto, mas em todas as etapas do ciclo de vida dos empreendimentos, trazendo uma eficiência muito maior que a do PMI, processo muito empregado atualmente pelas prefeituras, por meio do qual as empresas privadas podem apoiar a gestão pública nos estudos de viabilidade. Geralmente, por envolverem diversas empresas, os PMIs acabam se tornando onerosos e, em muitos casos, envolvem interesses destoantes, informações assimétricas e ineficiências. Desta forma, a grande maioria dos projetos estruturados por PMI não prospera, por não atender plenamente à legislação vigente ou por apresentar deficiências técnicas ou econômico-financeiras na elaboração, não avançando para o estágio de licitação. Por estas razões, a cada 100 projetos estruturados por PMI no Brasil, apenas seis se tornam contrato.

O Governo do Piauí será o primeiro beneficiário do modelo inovador da Ezute, que garante total isenção ao longo da estruturação. E outros governos devem adotar o mesmo modelo em breve: “o pioneirismo tem as suas dificuldades, mas com este primeiro acordo de cooperação celebrado, tenho certeza de que outros municípios com os quais estabelecemos contato desde o ano passado ganharão confiança e também farão a adesão ao nosso modelo” comenta o executivo da Ezute.

Para dar mais transparência ao processo e facilitar a interlocução com as prefeituras, a Ezute celebrou um acordo com a FNP – Frente Nacional dos Prefeitos, em novembro passado. Além do setor de Saneamento, a Fundação Ezute já publicou editais de captação para os setores de iluminação pública e resíduos sólidos. Os editais podem ser acessados em https://ezute.org.br/editais/. Neste setor de concessões e PPPs, além de atuar na estruturação dos projetos, a Ezute também pode atuar como Verificador Independente dos contratos celebrados.

 

Foto/Legenda:  Thomas Strasser (diretor de inovação e parcerias público-privadas da Fundação Ezute) e Viviane Bezerra (superintendente da SUPARC) assinam acordo de PPP em saneamento.